Pesquisar este blog

4 de out de 2011

Postado no Blog da Casa Azul o folder entregue na reunião da Prefeitura

Slide do projeto em desenho atualizado


Slide em maquete eletrônica apresentado no dia 17/08/11.





Agora o slide do projeto da Praça virou desenho...
O projeto é o mesmo, apenas  afirmam agora que haverá encostos nos bancos, pedras que farão as vezes de muretas e afirmam que mais árvores serão plantadas. Segundo a Casa Azul essas foram as contribuições da população. Não sabemos em que posição e quais/quantas árvores serão plantadas porque a planta apresentada é a mesma, o mesmo em relação aos bancos e pedras/muretas.

Planta postada no blog da Casa Azul que é a apresentação atualizada do projeto

Planta no slide apresentado no dia 17/08/11

Aliás agora chamam de encontro público o que em 17/08/2011 era encontro, que virou reunião, que depois chamou de Audiência Pública inclusive em matéria no Jornal de Paraty.
Agora dizem que o projeto foi validado pelo "Plano Estratégico Mar de Cultura" que até onde sabemos aprovou "uma ação" e não um "projeto específico". Não podemos esquecer que a Casa Azul preside este Grupo Gestor.

"O restauro e requalificação da Praça da Matriz buscou recuperar e reunir elementos da memória coletiva da cidade por meio de pesquisas históricas, entrevistas com antigos moradores e reuniões com a comunidade. "

A entrevista com antigos moradores de que fala a Casa Azul foi realizada com 8 pessoas, em pesquisa realizada pelo Diuner, a quem respeitamos, e que segundo ele foram realizadas "visando tão somente consolidar as informações documentais obtidas e saber da vivência deles em relação ao logradouro". 
Quanto às reuniões com a comunidade perguntamos à população quando e onde aconteceram tais reuniões?
Vejam postadas neste blog Declarações de várias Associações que afirmam o contrário.
Esse projeto é de 2006 e estamos em 2011. As obras iniciaram em agosto/2011.
Em que momento aconteceram essas reuniões? Até onde podemos saber um encontro aconteceu na Casa da Cultura, por conta de uma Petição on line pedindo seu cancelamento postada no Paraty trip e que já contava com cerca de 300 assinaturas, no dia 17/08/2011, cujo convite foi realizado a alguns e no site da flipzona no dia 16/08/2011, estando as obras em pleno andamento. Neste encontro a maioria mostrava-se surpresa com a quebra da praça e contra o projeto. No dia seguinte houve outra reunião que também resultou na insatisfação dos presentes em relação a obra. Foi marcado um GT (segundo a Casa Azul) que iria se reunir entre os dias 23 a 26/08/11 para discutir o projeto. Esse GT que a Casa Azul chama de "comissão representativa" era composto em sua maioria de órgãos que haviam aprovado o projeto e representações que não tinham legitimidade. Associação e cidadãos que nele tentaram se integrar não foram aceitos porque segundo a Casa Azul 12 membros era o ideal para se discutir o assunto.

"Objetivando a construção coletiva desse espaço público tão importante para a cidade, foram feitas dinâmicas para incorporar no projeto os usos e desejos da população em harmonia com as questões técnicas".

Muito nos espanta tal afirmação baseados no documento de Solicitação de Apoio a Projetos apresentado ao MINC. Neste documento a Casa Azul apresenta-se conhecedora dos anseios da população, de seus hábitos e usos em relação a Praça da Matriz. Neste mesmo documento prevê a apresentação do Projeto à comunidade em três momentos anteriores (estudo preliminar, anteprojeto e projeto executivo) ao projeto definitivo que daria então respaldo ao início das obras. Como essas etapas não foram cumpridas o que vimos foi uma tentativa de realizar o que deixou de ser feito já com as obras em andamento. E agora a apresentação do Projeto Definitivo com as obras em ritmo acelerado, em metade da Praça, mesmo diante do repúdio da população a esta intervenção.

"A experiência desses encontros foi fundamental para a construção de um projeto mais inclusivo e democrático, mostrando a importância do diálogo e do debate aberto para se pensar coletivamente os espaços públicos de Paraty".

Perguntamos que debate aberto houve? A que diálogo se refere a Casa Azul? A população teve ou tem acesso ao projeto? A população legitimamente foi ouvida? Houve Audiência Pública? Até agora o que sabemos foi passado em dois slides praticamente iguais (um em maquete eletrônica e outro em desenho). As únicas mudanças alegadas dizem respeito a bancos com encosto, pedras substituindo muretas em alguns pontos e plantio de mais árvores.


"...e garantir que o projeto para a praça reflita os desejos da população paratiense".
Perguntamos à população paratiense se esse projeto/obra reflete seus desejos para a Praça da Matriz?
A população não deseja esse projeto, nunca o apoiou e tão pouco o apoia agora. Queremos a Praça da Matriz como ela é.
                                                                           

Nenhum comentário:

Postar um comentário